quarta-feira, 3 de julho de 2013

Silêncio

Pensei que já compreendia o meu silêncio, mas só agora é que me dei conta do seu verdadeiro valor. Só agora o entendo, como nunca entendi. Quando penso que já compreendia algo do teu silêncio chego à conclusão que não conheço nada dele, que nem tu o conheces. É difícil conhecermos-nos... Isso requer tempo para ver as coisas de outra perspectiva que não a nossa. Precisa que os erros cometidos pelo caminho sejam compreendidos. Exige força para superar as fraquezas que nos fragilizam nos piores momentos e sabedoria para saber pedir desculpa no momento certo, ainda que isso nos pareça um passo muito grande. És a pessoa em quem mais tenho pensado, dando voltas ao pensamento sobre tudo o que se passou ou passa já não sei. O som das palavras que foram ditas ainda espera ser explicado, a ferida ficou aberta. O silêncio das palavras que esperam ser ouvidas deixou um buraco, que não fecha, no meu coração. Dizem que o tempo vai apagando tudo mas, até agora, ainda não deixei de ouvir uma única palavra que foi dita. O eco de cada uma delas está presente nas horas que se arrastam em dias longos que não querem passar. Estupidamente, apesar de tudo, tenho saudades tuas e não me envergonho de dizê-lo. Há uma réstia eterna de algo que sempre foi verdadeiro em nós e que nunca desaparecerá de mim. És especial, tens um valor que nunca mais ninguém terá para mim. Ajudaste-me a crescer, a ver os meus defeitos como algo superável. Na realidade tornaste-me melhor ao fazer-me ver que nada na vida é mais importante do que eu. Aliás continuas a fazê-lo. Hoje resta-me aquela pena… pena que não tenhas ouvido os teus próprios conselhos e que não tenhas crescido com eles, tal como eu fiz após tanta insistência tua. Mas eu cresci. Cresci por mim,por ti, cresci porque estava na hora de seguir um caminho diferente daquele que me estava a sufocar. Nunca gostei de pressões. Isso faz-me mal. Faz-me sentir coisas que me tiram o norte. Então mudei mas mudei por mim. Mudei porque estava na altura de voltar a encontrar-me, a encontrar o meu silêncio e aquela calma interior que vinha a perder ao lado nos nossos problemas que tem fugido com o seu tempo Nunca duvides daquilo que te disse… não foram meras palavras deitadas cá para fora. Foram as mais sinceras que poderias esperar de mim. Talvez um dia vejas o verdadeiro significado de todas elas e percebas que aquilo que disse foi apenas uma ajuda para veres o mundo de um modo diferente daquele que gira em ti, porque tens um mundo a girar a tua volta e por vezes não te apercebes de tal coisa. Não sei pedir-te desculpas porque um dia já usei todas contigo, até mesmo aquelas que nunca precisaria ter pedido por achar que não devia desistir de ti. Não sou orgulhoso digo eu. Sou direto demais naquilo que digo, o que para muitos é um defeito. Lamento dizer-te mas considero isso a minha maior qualidade. Tenho pena que não vejas as minhas críticas como algo construtivo. Não venhas depois dizer que nunca ninguém te ajudou porque estive sempre aqui e continuarei a estar mesmo que me digas para desaparecer.

Sem comentários:

Enviar um comentário