quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Mata-me se não ficares !

Tudo não passava de meras palavras, e as atitudes onde estavam? Tinham fugido de nós, tinham escapado da nossa vida por muito que a quiséssemos. Encontra-me, traz-me de volta porque eu perdi o meu caminho. Estou no meio de uma rua onde por mero acaso passeava de mãos dadas contigo, está tudo tão diferente, as ruas não tem as mesmas calçadas, não tem o mesmo tom de cor que tinha. A placa com o nome da rua já não estava lá, assim como quando tentei por a mão a volta do teu pescoço e percebi que estava sozinho. A minha visão era a preto e branco, estava sozinho não via ninguém e sabes porque? Porque já nada se resume a ti, as lágrimas? Essas meu amor perderam-se no caminho como eu me perdia sempre que me dizias um até logo e viravas costas e desaparecias. Acompanhei cada passo teu, cada movimento, cada sorriso que me davas era uma dádiva no meio deste mundo completamente escuro. Agora? Tenho de acompanhar os meus movimentos porque são os únicos que posso ver, tenho de ser eu a sorrir sem ter um motivo. Paraliso no tempo quando nos meus olhos aparece a tua linda imagem é uma grande recordação tua, esses olhos que parecem duas estrelas. Meu amor onde é que tu andas? Sinto a tua falta e não estas comigo. Cheguei onde nos beijamos a primeira vez e o sítio está vazio, não tem vida. Vou embora, vou recuar para onde não deveria ter saído. Aparece anjo, agarra-me como em tempos me agarras-te, faz de mim o que tu nunca fizeste. Anda e foge comigo deixo tudo para trás por ti, deixo a minha vida para ter uma única vida contigo. Agora estou sentado em cima da cama que já partilhamos, estou a sorrir porque sim eu já não vou chorar por ti, vou sorrir porque foi assim que sempre quiseste. Tenho na mão o caderno onde só escrevo para ti, desistir de escrever? Ainda me dás vida para isso. A perfeição não existe mas fizeste a tua perfeição a tua maneira e como quiseste. Leva-me a lua nem que seja para me deixares lá, mas não me largues agora que me seguraste, não me deixes no teu caminho que eu ajudei a criar. O que é simples não compliques até parece que fomos feitos um para o outro mesmo ao sermos tão diferentes. Queima-me e deixa-me a arder por dentro eu não me importo, só me importo de não te ter, mas beija-me mesmo que seja uma ultima vez e podes ir mas irei ficar aqui sentado nesta cama que também é tua há tua espera porque eu não desisto de uma vida, porque de uma vida não se faz memórias primeiro tens de as viver.

Sem comentários:

Enviar um comentário